1 de fevereiro de 2021

Uma grande mestra de enfermagem

Por: FME Argentina

Desde 1996, María Luisa Colli faz parte da equipe de enfermagem da Fresenius Medical Care, Serviço de Nefrologia do Hospital Italiano de Buenos Aires.

Seu entusiasmo e profissionalismo acompanham a expansão da FME, garantindo altos padrões de qualidade de serviço aos pacientes nos centros de diálise em todo o país.

Como parte do Programa de Bolsas de Estudo da empresa, María Luisa completou seu Bacharelado em Enfermagem e aprofundou seu perfil como instrutora.  Graças à sua vocação de serviço e ensino, centenas de enfermeiras de todo o país foram treinadas em seu centro, em diferentes especialidades como pediatria, aguda, peritoneal e hemodiálise.

María Luisa trabalha na FME há 24 anos, há mais de 35 anos como enfermeira, e ela não pára. Com o mesmo entusiasmo e compromisso de sempre, cada dia é como se fosse o primeiro. Hoje ela é enfermeira chefe no centro FME do Hospital Italiano.

Conversamos com ela para saber mais sobre sua experiência com a profissão.

Como você se tornou uma enfermeira? 

Eu sempre adorei a profissão. Em casa, sempre falamos sobre o serviço aos outros. Esta carreira me permitiu realizar-me como pessoa e como profissional.

María Luisa junto con un grupo de enfermeros aprendiendo la tecnología Fresenius en el 1998

O que é a melhor coisa desta profissão?

A melhor coisa desta profissão é o trabalho em equipe. Quando você trabalha com outras pessoas em colaboração, cumprindo as regras, você gera um bom ambiente e isso é transferido para o cuidado com o paciente. Hoje são os jovens enfermeiros que estão na linha de frente contra a Covid-19, e digo a eles “que se protejam com as ferramentas que têm disponíveis, que cumpram com as normas e utilizem os equipamentos de proteção pessoal”. Estou sempre disponível para acompanhá-los e ouvi-los 24 horas por dia, todos os dias da semana.

O que você diria às pessoas interessadas em iniciar uma carreira na enfermagem?

Haverá sempre trabalho nesta profissão. É difícil, mas é gratificante. A vocação é muito importante para entender que é uma profissão de serviço aos outros. Gostaria de poder transmitir a vocês todo o amor que sinto por esta profissão. Sou muito exigente, tento fazer o meu melhor pelos outros. Sei também que todos os dias posso continuar a aprender.

Você tem algum hobby?

Eu gosto muito de cozinhar. Um prato saboroso que eu faço bem e sempre recebo elogios é o frango recheado que costumo preparar para o Natal. Tem de tudo, nozes, bacon defumado, passas, e a sobremesa que eu faço melhor é o vulcão de chocolate.

Como você vive o presente?

Continuo trabalhando com a minha paixão. Em 1º de outubro de 2020, completei 66 anos e mais da metade da minha vida trabalhei nesta bela profissão.

O que dizem aqueles que conhecem María Luisa?

Foto: 2004 Soledad Schoenknecht e M. Luisa Colli em um congresso no Uruguai.

Companheira de estrada: Soledad Schoenknecht, Coordenadora Nacional de Enfermagem, trabalhou com María Luisa desde o início de sua carreira na Fresenius.

"Eu conheci María Luisa em 2000. Se eu tivesse que defini-la em poucas palavras, diria que ela é uma verdadeira mestra da enfermagem.

Compartilhamos auditorias, congressos, viagens, treinamentos, reuniões com os Chefes de Enfermagem, quartos de hotel (ela sabia que o controle remoto da TV era minha propriedade, sempre!).

Destaco sua humildade, sinceridade, dedicação e preocupação em nos deixar confortáveis, entre tantas outras coisas.

Ela está sempre disposta a responder, desde testar suprimentos, treinar profissionais de enfermagem, obter consultas médicas para pessoas do interior do país. Ela é sempre uma mão amiga, disposta a ajudar.

Serei sempre grata a María Luisa por sua dedicação e por tudo o que ela me ensinou generosamente".

 

Dr. Rosa Diez, Chefe do Serviço de Nefrologia do Hospital Italiano e Presidente da Sociedade Argentina de Nefrologia.

“Conheci María Luisa quando entrei para o Departamento de Nefrologia do Hospital Italiano de Buenos Aires como médico residente em 1992.  Naquela época, ela era a Chefe de Enfermagem de Hemodiálise do Serviço de Nefrologia.

A partir daquele momento, fiquei impressionado com a capacidade de María Luisa de liderar seu pessoal, ganhando o respeito, mas também a confiança de seus colegas; uma pessoa que estava ciente dos problemas dentro e fora da unidade; que estava disposta a ajudar, mas também a exigir. Ao longo dos anos, já como Chefe de Serviço e Diretor da Unidade de Diálise, ainda acredito que este equilíbrio entre respeito e estar próximo de cada um dos membros da equipe é muito difícil de alcançar, e María Luisa é uma das pessoas que consegue isso.

Ela é uma pessoa que sempre procurou se superar e melhorar a qualidade do ambiente e dos que estão ao seu redor. Ela tem sido a madrinha ou tutora de empregadas domésticas que encorajou a estudar enfermagem, assim como assistentes de enfermagem que acabaram sendo formadas em enfermagem, enfermeiros e jovens médicos.

Sendo um apaixonado por sistemas extracorpóreos de diálise e afins, sempre vi em María Luisa a primeira colaboradora a ser capaz de realizá-los.

As exigências de qualidade e melhores práticas da já estabelecida Fresenius Medical Care, bem como o credenciamento da Joint Comission no Hospital Italiano, sempre foram um estímulo para ela, que provou ser a número um em ser capaz de conciliar desafios que surgiram em conjunto, alcançando os melhores resultados.

Passamos pela gripe H1N1 há alguns anos, ganhando experiência e escrevendo normas, pensando que o mais difícil havia passado. Em 2020, a Covid-19 nos colocou à prova e, mais uma vez, María Luisa demonstrou sua capacidade e seu talento. Muitos passam a pandemia realizando tarefas a partir de casa. María Luisa não faltou nenhum dia. Ela sempre esteve presente, mantendo o espírito de equipe e apoiando o time, desafiando as limitações dos recursos humanos e as exigências do atendimento de pacientes crônicos em diálise, bem como pacientes críticos com insuficiência renal aguda devido à Covid-19 em um hospital com a complexidade e o tamanho como o nosso.

Uma excelente profissional, mãe e avó. Acima de tudo, uma pessoa maravilhosa, que inspira afeto e admiração.

Hoje trabalho como Chefe do Serviço de Nefrologia do Hospital Italiano, e este ano assumi a presidência da Sociedade Argentina de Nefrologia, dois trabalhos muito difíceis de realizar juntos nesta pandemia de Covid-19. Entre as pessoas que permitiram que eu me tornasse a pessoa que ocupa estes cargos hoje, María Luisa, sem dúvida, ocupa um lugar especial.”

María Luisa ao lado do Dr. Rosa Diez com a medalha que recebeu do Hospital Italiano por seu desempenho no credenciamento da Joint Comission
María Luisa (no centro da foto) em treinamento da nova máquina MultiFiltrate